Saṃdhi (1)

Saṃdhi é a regulação dos encontros entre fonemas. Diz respeito tanto ao encontro das palavras presentes em um enunciado sânscrito, como aos elementos morfológicos que compõem um vocábulo. Há, dessa forma, duas modalidades de saṃdhi, o interno, que lida com as partes que compõem o vocábulo, e o externo, que lida com os vocábulos presentes no enunciado.

Exemplos –

Interno:

बुध् + (budh + ta) = बुद्ध (buddha, particípio passado de budh, “desperto”).

सिध् + ति (sidh + ti) = सिद्धि siddhi (substantivo feminino, “realização”).

Externo:

नमः शिवाय (namaḥ śivāya) | “Reverência a Śiva”.

नमो नमः (namo namaḥ) | “Reverência, reverência!”

नमस् ते (namas te) | “Reverência a ti.”

नमश् चन्द्राय (namaś candrāya) | “Reverência a Candra.”

नमोऽस्तु ते (namo’stu te) | “Reverência seja feita a ti.”

नम ईश्वराय (nama īśvarāya) | “Reverência ao Soberano (īśvara).”

Em ambas formas de saṃdhi, dividimos as regras entre saṃdhi vocálico e consonantal, ou seja, os encontros que envolvem apenas vogais ou que envolvem consoantes.

Nesse primeiro momento, trataremos apenas do saṃdhi externo consonantal, isto é, as regras que devem ser aplicadas quando os vocábulos são postos em sequência.

O saṃdhi externo segue um grupo de regras para estabelecer mudanças nos finais das palavras, fusões do final com o início de palavras e, raramente, modificações no início de vocábulos.

Observaremos a seguir algumas das regras relativas a palavras terminadas em -as, que são, sem dúvida, o maior número de ocorrências:

Vocábulos terminados em -as:

-as + fonema sonoro = -o

पद्मसंस्थितस् योगी > पद्मसंस्थितो योगी, “o yogin estabelecido no padmāsana”.

साधकस् गच्छति > साधको गच्छति, “o adepto vai”.

अनिरोधतस् अभ्यसेत् > अनिरोधतो अभ्यसेत्* “deve praticar ininterruptamente”.

* deve-se aplicar regra relativa ao encontro de -o com a-.
Nesse caso, ocorre a queda da vogal “a”, que será marcada, na escrita, com o avagraha:

अनिरोधतोऽभ्यसेत्

साधकस् ओंकारं जपति > साधको ओंकारं जपति* “o adepto recita o OM”.

* deve-se aplicar regra relativa ao encontro de -o com o- (qualquer vogal diferente de “a” breve).
Nesse caso, a vogal final “o” torna-se “a”:
साधक ओंकारं जपति*

-as + fonema surdo = -aḥ, -aś, -aṣ ou -as.

-as + k, kh, p, ph, ś, ṣ, s = aḥ.

समस् कायः > समः कायः, “o corpo equilibrado”.

सर्वसिद्धिस् प्रजायते > सर्वसिद्धिः प्रजायते, “a realização completa origina-se”.

विमुक्तस् स्यात् > विमुक्तः स्यात्, “há de ser liberto”.

-as + c, ch = aś.

प्राणस् समस् चलति > प्राणः समश्चलति , “o alento, equilibrado, flui”.

-as + t, th = as (isto é, permanece da mesma forma).

साधकस् तुरीयम् गच्छति > साधकस् तुरीयं गच्छति, “o adepto entre no quarto estado.”

Exercícios

Reescrever os sūtras abaixo, aplicando as regras de saṃdhi explicadas acima e, sempre que necessário, modificar a consoante final.

योगस् चित्तवृत्तिनिरोधस् | Yoga é a suspensão das atividades da mente. (YS 1.2)

तत्र स्थितौ यत्नस् अभ्यासस् | Nesse sentido, prática é o esforço diligente relativo à estabilidade. (YS 1.13)

तस्य वाचकस् प्राणवस् | Sua expressão é a fórmula OM. (YS 1.27)

तज्जपस् तदर्थभावनम् | Deve-se entoá-lo e cultivar o sentido dele. (YS 1.28)

ता एव सबीजस् समाधिस् | Esses são considerados a absorção ‘com semente’. (YS 1.46)

ध्यानहेयास् तद्वृत्तयस् | As atividades delas devem ser destruídas pela contemplação. (YS 2.11)

तदर्थस् एव दृश्यस्यात्मा | A essência do percebido tem somente ele (o percipiente) como objetivo. (YS 2.21)

ततस् द्वन्द्वानभिघातस् | Então cessam as dicotomias. (YS 2.48)

ततस् क्षीयते प्रकाशावरणम् | E então é dissipado o véu que encobre a luz. (YS 2.52)

देशबन्धस् चित्तस्य धारणा | A atenção é a fixação da mente em algum local. (YS 3.1)

ततस् क्लेशकर्मनिवृत्तिस् | A partir daí, cessam as perturbações e as ações. (YS 4.30)